Salmo

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

As preocupações da vida

As Preocupações da Vida

A vida do ser humano aqui no mundo é um corre-corre que não acaba nunca.
Passamos a maior parte do tempo vivendo em função da nossa sobrevivência material. De manha à noite, todo dia, toda semana, o mês todo, o ano inteiro, a vida toda, vivemos em função dos nossos negócios e dos nossos empregos.
Essa necessidade de sobrevivência acaba ultrapassando seus limites e, por fim, somos dominados pela ganância de acumular riquezas. Quanto mais temos, mais queremos ter; e quanto mais bens conseguimos, mais eles assumem o controle de nossas vidas.
Com o passar do tempo, diante da correria pela sobrevivência, passamos a viver em função dos bens materiais em prejuízo do relacionamento com Deus e com as pessoas. O dinheiro então toma o lugar de Deus e das pessoas em nossas vidas, aos quais é reservada a sobra do nosso tempo.
O primeiro relacionamento a ser prejudicado por causa dessa correria é o relacionamento com Deus. Apesar de ser nosso Criador e Salvador Deus fica lá no fim da fila aguardando sua vez para conversar conosco.
O segundo relacionamento prejudicado é o relacionamento com a família. Marido e mulher, pais e filhos, passam a maior parte do tempo longe uns dos outros. A convivência entre os membros da família se torna superficial e sem vida. O amor e o afeto diminuem bastante.
E esse corre-corre pela sobrevivência material continua, continua, continua, até que de repente o fim da vida chega de forma inesperada. E quando essa hora chega, muitos descobrem, já tarde demais, que tudo aquilo que foi conquistado durante a vida com muito esforço e sofrimento de nada vale: empregos, negócios, dinheiro, carros, casas, propriedades, tudo fica, tudo se acaba.
As preocupações da vida não deveriam ser mais importantes que nosso relacionamento com Deus e com as pessoas. As pessoas e Deus são mais importantes que as coisas; as coisas um dia acabam, mas Deus e as pessoas permanecem para sempre.
Mas hoje chegou a hora de rever a forma pela qual estamos vivendo aqui no mundo. A Bíblia fala que a vida do ser humano não se resume apenas em preocupações com a existência terrena. Nós não fomos criados para viver somente em função da nossa sobrevivência e dos nossos bens materiais. A Bíblia diz que temos uma vida eterna para ser vivida após a morte.
Jesus disse que “a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui” (Lucas 12.15). Para pessoas que depositam sua esperança apenas na presente vida Deus diz: “louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” (Lucas 12.20). E Jesus volta a dizer que “não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer, nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Porque a vida é mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes” (Lucas 12.22-23). E o Filho de Deus continua nos advertindo com as seguintes palavras: “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam” (Mateus 6.19-20).
Essa vida eterna da qual a Bíblia fala só é possível por causa da obra realizada por Cristo em nosso favor. Cristo sofreu o nosso sofrimento, Cristo morreu a nossa morte a fim de que nós possamos um dia ressuscitar como Cristo ressuscitou.
Com essa fé entranhada em nosso ser não deixemos a correria da vida nos desviar da cruz de Cristo, não deixemos a correria pela sobrevivência prejudicar o relacionamento com Deus e com as pessoas. Motivados pelo amor de Deus em Cristo Jesus devemos viver em função da vida eterna, porque "Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens" (1 Coríntios 15.19).
Essa esperança da eternidade com Deus deve governar a vida do cristão. Não deixe a preocupação da vida tirar essa esperança de você. Ame mais as pessoas, ame mais seus familiares, passe mais tempo com eles, desfrute mais dos relacionamentos com eles. E ame a Deus acima de todas as coisas.
Comece a fazer isso hoje mesmo; não espere para amanhã. A vida aqui no mundo é muito curta; quando menos esperamos, ela acaba.
Jesus Cristo, por meio de seu sacrifício na cruz do calvário, abriu o caminho de volta ao Céu. Esse futuro glorioso só é possível porque Deus nos amou com amor eterno. E a prova desse imenso amor Deus mostrou no sacrifício de seu Filho Jesus Cristo. Por causa do sacrifício de Jesus podemos e devemos crer no amanhã. Podemos e devemos crer que existe uma VIDA ETERNA preparada para nós.
Essa esperança deve governar nossa vida aqui no mundo, deve governar o nosso relacionamento com as pessoas, deve ser a razão da nossa existência aqui na Terra.
Não deixemos que as preocupações da vida roubem de nós a esperança da eternidade com Deus, “Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna” (Versão NTLH).
Em nome do Salvador Jesus, no poder do Espírito Santo, e na graça de Deus Pai, amém.

REFÚGIO EM TEMPOS DE PERIGO

REFÚGIO EM TEMPOS DE PERIGO

refugio-em-tempos-de-perigoNunca houve um tempo de tanta insegurança. Temos insegurança física, e nossos corpos podem sofrer danos a qualquer momento por uma bala perdida, por assaltos à mão armada, por enchentes, desastres, catástrofes, ou por explosões. Temos insegurança material, e podemos perder tudo o que juntamos com esforço, dedicação e trabalho honesto; e, no entanto, o governo pode também deixar o povo sem condições de manusear até o próprio dinheiro.
Temos insegurança na saúde pública; temos insegurança psicológica. Vivemos tiranizados pelo medo e possuídos pelo temor. Já não estamos mais seguros nas cidades de Sodoma e Gomorra modernas, cidades cheias de vândalos e assassinos, homens e mulheres cheios de todos os vícios, criaturas perigosas que matam por nada.
Davi estava enfrentando uma situação de perigo diante de seus inimigos que procuravam tirar a sua vida. Possivelmente era o tempo em que Saul procurava matá-lo. Davi expressa a sua confiança, afirmando: “No Senhor me refugio!” No original, a palavra é Yahweh, que significa Eterno. “Eu tenho um eterno Refúgio. Eu sei para onde ir e a Quem, recorrer”, dizia Davi em um momento de grande perigo de vida. Para ele, não importavam as circunstâncias mais difíceis; ele sempre tinha a Deus como o seu eterno Refúgio, e ele tinha grande prazer e alegria em dizer isso.
I – O SENHOR É O NOSSO REFÚGIO (1-3)
1 – O Senhor é nosso Refúgio contra o Medo. Muitos dentre os seus amigos, querendo salvar a Davi, deram um conselho que revelava o temor, a dúvida e a desconfiança das providências de Deus. Qual foi o conselho? O conselho foi para que Davi escapasse por sua vida e fugisse para os montes, onde havia muitos refúgios. Mas ele pôde responder com uma pergunta: “No Senhor me refugio. Como dizeis, pois, à minha alma: Foge, como pássaro, para o teu monte?” (v. 1).
Vivemos em um tempo de temor. Os homens estão sendo atacados pelo medo, que oprime a milhões de pessoas em um mundo afligido pela angústia. Os homens do século 21 estão sendo tiranizados pelo medo e pelo pavor. A ordem do momento é fugir; fugir para um lugar de segurança, de paz, de escape. Muitos cristãos estão sendo ameaçados e o conselho da incredulidade é fugir, ao invés de enfrentar e dar o seu testemunho em favor da verdade.
Em um tempo como este, necessitamos confiar em Deus como nosso Refúgio contra o medo, o temor e o pavor. Certa vez um pai com o seu filho de 5 anos passou por um lugar escuro e tenebroso. O menino, loquaz e falador, pouco a pouco silenciava. Era uma noite escura e perigosa. E o menino sentiu medo. Tomou então, a mão robusta e calosa do pai, e exclamou: ” – Papai, nós não estamos com medo, não é verdade?” O menino não podia andar sozinho por aquele lugar escuro; mas, na companhia do pai, sua confiança se robustecera, e o medo desapareceu. A confiança em nosso Pai celeste desfaz todo o temor.
2 – O Senhor é nosso Refúgio contra os Ímpios. Os amigos continuavam a dar os seus conselhos a Davi (v. 2): “Porque eis aí os ímpios, armam o arco, dispõem a sua flecha na corda, para, às ocultas, dispararem contra os retos de coração.” Mas Deus é o nosso Refúgio mesmo contra os piores homens da terra; Ele é um Refúgio mesmo contra os ímpios, que traçam planos traiçoeiros para, às ocultas, dispararem as suas armas contra nós.
Há um grande número de ímpios, homens que não têm o temor de Deus, e que se constituem em uma ameaça para os cristãos. Mas nós não precisamos nos preocupar, porque Deus é o nosso Refúgio contra os ímpios.
Davi não temia as armas dos ímpios de seu tempo. Ele menciona os arcos, e as flechas que eram disparadas contra o coração dos justos, ocultamente. Mas e em nosso tempo? Os homens ímpios estão armados de facas, revólveres, metralhadoras e fuzis. E o que dizer das armas de poder mais abrangente, como as bombas atômicas? Haveria algum refúgio contra as bombas modernas, as bombas de hidrogênio, ou as bombas termonucleares?
Nos dias 5 e 9 de agosto de 1945, respectivamente, duas desventuradas cidades japonesas – Hiroshima e Nagasaki – receberam dois presentes diabólicos, duas bombas poderosas, duas bombas atômicas; e, como resultado imediato, 180.000 pessoas se transformaram em cinzas, em poucos minutos.
E o mundo se estarreceu diante de uma bomba que liberava uma energia tão espantosa e medonha. E os homens começaram a temer por sua segurança. Mais tarde, em 1948, os russos também detonaram a sua primeira bomba atômica atrás dos montes Urai. E os historiadores registraram mais esse feito histórico.
E daí para cá, vivemos assustados, aterrorizados diante da possibilidade de uma terceira guerra mundial, apoiada num detonar de máquinas destruidoras, ou de armas químicas nas mãos de homens ímpios, perversos e maus. E depois da queda das torres gêmeas, o mundo se espantou diante da crueldade dos terroristas, e eis que perece toda a tentativa de segurança.
Mas mesmo assim, podemos confiar em Deus como o nosso eterno Refúgio. Ele é Todo-Poderoso, Ele é capaz de desfazer os efeitos da mais terrível de todas as armas; Ele pode desmontar as poderosas armas termonucleares, Ele pode desfazer os efeitos das bombas químicas e de qualquer invenção satânica forjada contra os cristãos.
O salmista tinha essa confiança: “No Eterno, me refugio”.
3 – O Senhor é nosso Refúgio contra a Ilegalidade. Assim diziam os amigos de Davi, no v. 3: “Ora, destruídos os fundamentos, que poderá fazer o justo?” Eles diziam que os ímpios já tinham destruído os fundamentos e ele não poderia fazer mais nada. Davi estava vivendo em um tempo de ilegalidade. Os fundamentos da sociedade, a estabilidade da lei, da ordem e da moral tinham sido destruídos. O próprio rei Saul quando viu frustrada a sua ordem de matar, ele próprio tentou assassinar o seu benfeitor, que nesse caso era Davi (1Sm 19:1,10).
De fato, sob um reino sem lei, os próprios fundamentos da sociedade e da ordem moral foram removidos; os justos não podiam fazer nada para prevenir isso. Portanto, o que restava para Davi, senão retirar-se de uma comunidade onde não havia nem lei nem ordem? Por que Davi não se retira para os montes onde há muitos refúgios? Por que não procura o abrigo dos pássaros? Assim pensavam os conselheiros de Davi.
Já imaginou como seria viver num país onde os governantes são corruptos, ladrões e assassinos? Num país onde a ilegalidade domina, e as leis existentes são injustas? O que podemos fazer quando o nosso vizinho nos prejudicou e o juiz nos manda para a prisão? O que você pode fazer quando é defraudado numa igreja, e roubado, porque um irmão não lhe paga o que deve, mas é você que será disciplinado? O que poderá fazer o justo?
Agora pense comigo: se os seus inimigos destruíssem a sua casa, colocando fogo nos seus pertences, matando a sua família, se eles destruíssem a sua reputação, e se esses ímpios acabassem com todos os fundamentos de sua vida, o que você poderia fazer? Nada? Esta era a insinuação dos amigos de Davi. Esta é uma resposta muito fraca, porque está destituída de fé nas providências de Deus como o seu Refúgio eterno.
Durante as 7 Últimas Pragas, os justos estarão vivendo em sociedades sem lei, em comunidades sem ordem, em completa ilegalidade: os seus bens serão confiscados; sem moradia, estarão vagueando pelas montanhas como pássaros, à procura de um refúgio, sofrendo fome e frio, e enfrentando as intempéries.
Os fundamentos da ordem e da decência estarão destruídos. Que poderão fazer? Nada? Esta é uma resposta muito pessimista, porque eles estarão dia e noite clamando diante de Deus e cantando: “Deus é o nosso Refúgio, socorro bem presente nas tribulações.” (Sl 46:1). Lá estarão se consagrando e buscando mais intensamente a presença de Deus para libertá-los das destruições prometidas pelos ímpios. Mas Deus é um Refúgio mesmo quando os fundamentos estão destruídos, um Refúgio, mesmo em meio à ilegalidade, quando a ordem é transgredir.
II – ONDE ESTÁ O NOSSO REFÚGIO? (v. 4-7)
O salmista responde a esta pergunta, não levantada no texto, mas que possivelmente estava na mente dos amigos pessimistas de Davi que o aconselhavam, dizendo: “Onde está o seu refúgio, Davi? Foge para os montes, onde se encontram as cavernas para você se refugiar!” Davi responde e diz: “Não! O meu refúgio está no Senhor.” “Mas onde está o Senhor?” perguntavam eles. E a resposta foi pronta e sem detença: “O Senhor está no seu santo templo!”
Gosto dessas palavras. “O Senhor está no Seu santo templo!” Deus é o nosso refúgio e está no Seu templo! É do templo que vem toda a nossa segurança e proteção, porque Ele se encontra lá. No santo templo de Deus está o nosso perdão e salvação. No Seu templo está o nosso grande Intercessor Jesus Cristo, o nosso Advogado que não perde nenhuma causa, que nos defende contra os nossos inimigos, nos absolve do pecado e nos justifica para uma vida de santidade. No Seu templo glorioso e santo está o nosso nome no livro da vida. No Seu templo está a certeza de nossa glorificação.
Deus está no templo, o templo está nos Céus e “nos Céus tem o Senhor o Seu trono. Os seus olhos estão atentos, as suas pálpebras sondam os filhos dos homens.” Deus está no Seu trono, que Se encontra no Santuário, no Lugar Santíssimo, e de lá Ele reina poderosamente. Parece longe? Mas Ele está em um lugar estratégico, de onde pode governar a todo o universo!
Ele está sentado em Seu trono, mas está em todos os lugares. Como Deus pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo? Como Ele consegue isso? É evidente que nós só podemos entender a sua onipresença através de Sua onisciência. E esta onisciência foi aqui colocada na figura de Seus olhos: “Os Seus olhos estão atentos!” Ele pode ver a tudo e a todos. Ele sabe de tudo o que acontece neste exato momento, em todo o universo. Ele está presente através do poder de Seus olhos que sondam os filhos dos homens. Ele pode estar no Seu trono e está aqui ao mesmo tempo através do Seu conhecimento onisciente, porque os Seus olhos veem a todos. Nada passa despercebido aos Seus olhos perscrutadores.
1- O que faz o Senhor com todos? (v. 5). “O Senhor põe à prova ao justo e ao ímpio.” Deus põe à prova a todos. Isso é pura justiça. Ninguém poderá dizer que foi provado, atormentado com tentações, tribulações, percalços e lutas que os outros não tiveram de enfrentar, se bem que cada qual será provado de maneira diferente das provas de seus semelhantes. Cada ser humano que passar por este mundo terá a sua sorte de provas e testes. Todos passarão pelo fogo das aflições, um de uma forma, outros de outra. Com efeito, “o Senhor põe à prova ao justo e ao ímpio”, a fim de que possam conhecer a Deus e endireitar os seus caminhos.
Há algum tempo, dois dos mais preeminentes ateus, Gilberto West e Lord Littleton –, homens intelectuais, e os mais conspícuos de sua época, zombavam do cristianismo onde quer que o encontrassem. Por fim, disseram: Há duas coisas que temos de destruir e então teremos terminado com a religião cristã. Depois disto nada restará dela.
As duas coisas a que se propunham destruir eram a ressurreição de Cristo como ensinam as Escrituras e a maravilhosa vida de Paulo, cuja influência é tão poderosa mesmo em nosso século.
Disse Gilberto West: “Eu destruirei a doutrina da ressurreição de Cristo.” “E eu”, disse Littleton, “explicarei a vida de Paulo.”
Depois desta entrevista ambos retiraram-se para o trabalho a que se propuseram. Meses depois, conforme um acordo prévio, se reuniram para ver os resultados de sua obra.
Lord Littleton, iniciou o assunto dizendo a West:
– Que tem você?
– Oh, – respondeu West – tenho algo maravilhoso para contar a você. Quando comecei a estudar a ressurreição de Cristo, tratando de deixar salva minha reputação, tive que buscar argumentos contra e em favor do assunto. O resultado foi que minha mente e meu coração foram convencidos de que Cristo ressuscitou dos mortos. Orei a Ele, estou salvo e agora sou Seu amigo.
Disse Lord Littleton:
– Graças a Deus, West, também tenho uma novidade para contar. Quando comecei a explicar a vida de Paulo, para destruí-la, também tive que fazer uma investigação minuciosa e sincera. Tive que buscar a verdade e você vai se alegrar comigo quando lhe disser que depois de um consciencioso estudo me encontrei ajoelhado, semelhante a Paulo no caminho de Damasco, e meu clamor foi o mesmo: “Senhor, que queres que eu faça?” Também sou um cristão, West.
Estes dois ateus convertidos tornaram-se dois dos mais notáveis cristãos. Escreveram duas lindas apologias da religião cristã, das melhores que se tem escrito.
2 – O que fará o Senhor com os ímpios? (v. 6,7). “Fará chover sobre os perversos brasas de fogo e enxofre, e vento abrasador será a parte do seu cálice. Porque o Senhor é justo, ele ama a justiça.” Esta é a obra estranha de Deus. Assim como no passado Ele teve que purificar as cidades de Sodoma e Gomorra com fogo e enxofre, todos os ímpios que se identificam com o pecado receberão o mesmo quinhão. Serão destruídos com fogo, conforme nos adverte a Palavra de Deus aqui no Salmo 11, e em Apocalipse (21:8).
Alguns poderão perguntar: “Mas por que Deus faria uma coisa dessas? Não seria um ato arbitrário de Sua parte?” O salmista responde, sem detença: “Porque o Senhor é justo. Ele ama a justiça!” Se Deus é justo, Ele aplicará a recompensa merecida para os ímpios que rejeitaram o oferecimento de Sua misericórdia que custou o imenso sacrifício de Jesus Cristo na Cruz do Calvário, em que o Filho de Deus derramou o Seu sangue pelo preço do resgate de todos os ímpios habitantes da terra. A medida da justiça divina não é avaliada meramente por pecados praticados, mas pela rejeição da Sua graça e do oferecimento da salvação.
Todos quantos aceitarem esse maravilhoso Dom passarão pelo fogo purificador do Espírito Santo (Mt 3:11), e serão batizados por Ele nesse processo, em que esse fogo purifica a alma do pecado. Ele os santifica, após purificá-los, e os livra da ira inflamável que vem com fogo e enxofre sobre os desprezadores da Sua graça.
O fogo tem o objetivo de purificar a Terra, a fim de que possa ser novamente habitada por todos os que foram redimidos. Mas aqueles que rejeitarem a obra de fogo do Espírito Santo, serão eles mesmos queimados com o fogo destruidor, porque não podem mais se separar do pecado que será consumido pelo fogo derramado dos céus. O fogo, que destrói o pecado, destruirá também os pecadores que se identificaram com o pecado. Isso confirma a justiça de Deus.
Mas, disse Davi, o justo Deus ama a justiça. Ele não poderia dar um castigo que os ímpios não merecem, ou que ficaria além da justiça. Imagine se é justiça condenar os pobres pecadores de 70 anos a queimar pelos séculos intérminos da eternidade! Esse nunca foi o plano de um Deus que ama a justiça. Disse Jesus Cristo que cada pecador levará poucos ou muitos açoites de castigo, dependendo do grau de culpa que lhe é própria, conforme o conhecimento adquirido, e nada mais (Lc 12:47-48). Ninguém pagará um minuto a mais além do que merece! Isso é justiça! Portanto, a doutrina do tormento eterno não faz justiça ao caráter de Deus e prega a mentira de que Deus não ama a justiça!
O fogo do castigo há de destruir e não continuar queimando. Os pecadores impenitentes hão de passar pela segunda morte e perecerão, transformando-se em cinzas (Ml 4:3). Mas Deus não tem prazer na morte de ninguém (Ez 18:32). Portanto, Ele ainda apela para que todos se arrependam e se convertam dos seus maus caminhos.
3 – O que fará o Senhor com os justos? (v. 7, úp). Os justos serão recompensados, de tal modo que “Lhe contemplarão a face.” Esta é a suprema esperança de todos os cristãos. Jamais alguém pôde contemplar a face de Deus. Este foi o grande sonho de Moisés, que embora falasse pessoalmente com Deus, não podia Lhe contemplar a face. Então, um dia, não podendo sopitar esse o desejo imenso de ver a Deus, Moisés expressou o seu pedido nestas palavras: “Rogo-te que me mostres a Tua glória.” E Deus lhe respondeu: “Não poderás ver a Minha face, porquanto homem nenhum verá a minha face e viverá.” (Êx 32:18,20). Era um sonho impossível!
Entretanto, há um dia marcado, em que todos os justos poderão contemplar a face de Deus e ser imortalizados nessa contemplação gloriosa. Esse dia está chegando, e você também pode se candidatar para ser um dos felizardos. Jesus Cristo está voltando, o nosso Senhor estará retornando em glória e majestade e os justos contemplarão a Sua face e viverão!
CONCLUSÃO
O Senhor é o nosso Refúgio! Enquanto que os ímpios serão destruídos pela ira de Deus, Ele é o Refúgio de Sua própria ira de fogo e enxofre, para o Seu povo que busca hoje a Sua vontade. O sangue de Cristo é o resgate do fogo que queimará os rebeldes pecadores, que rejeitarem esse Dom de Deus em Seu filho!
Prepare-se, busque a comunhão com Deus, resolva pertencer inteiramente ao seu Salvador. Não permita que as distrações do mundo ímpio o desviem desse maravilhoso futuro! Jamais esqueça que o Senhor é o nosso Refúgio, em todo o tempo, lugar ou circunstância. Ele pode salvar totalmente a você agora, e está Se esforçando para que você atenda ao Seu chamado! Não deixe essa decisão para depois! Amanhã pode ser tarde demais! Abandone o seu pecado predileto. Busque o Refúgio em Deus e no Salvador Jesus Cristo.
Grande abraço,
Roberto Passos

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

NADA FICA ESCONDIDO


 

 

Não há nada escondido que não venha a ser revelado, nem oculto que não venha a se tornar conhecido" (Mateus 10.16b).

1. A VERDADE ILUMINA
Que palavra rima melhor com verdade?
Penso que é luz.
Os relatos evangélicos de Natal demonstram esta rima.
Os magos foram iluminados por uma estrela em seu caminho de lugar nenhum para Belém.
Os pastores foram despertados por uma imensa luz envolvendo o coro angelical que lhes deu a notícia do nascimento então recente do filho de Maria.
No seu prelúdio, João se refere a Cristo como sendo uma luz que veio ao mundo.
Penso em luz como rima para a verdade, porque penso nas trevas como o oposto de luz. O Natal de Jesus Cristo foi precisamente a dissipação das trevas.
Jesus foi a manhã do mundo e, não por acaso, o Apocalipse o chama de estrela da manhã, mais precisamente, de "resplandescente estrela da manhã" (Apocalipse 22.16).
Longe da luz, dominam as trevas, com seu terror (instalado nas esquinas), com sua mentira (uma simples sombra pode parecer um monstro), com suas incertezas (já que não dá para ver o que vem adiante) e seus mistérios.
Neste sentido, Natal é luz. Paulo nos fala de Jesus como sendo o mistério oculto nos tempos passados, mas, agora, depois do Natal, "dado a conhecer pelas Escrituras proféticas por ordem do Deus eterno, para que todas as nações venham a crer nele e a obedecer-lhe". É por isto que Lhe  damos glórias para todo o sempre (Romanos 16.25-26).
Jesus é o mistério que estava oculto (1Coríntios 2.7). Ou seja: Jesus não é mais mistério. É luz. É verdade. O mistério é a agora nossa esperança de glória (Colossenses 1.27).
Não por outra razão, então, Jesus chama aos seus seguidores de filhos de luz (Lucas 16.18). Jesus convida a todos a serem filhos da luz (João 12.36). Então, os que aceitamos seu convite, somos chamados a viver como o que somos, como filhos da luz (Efésios 5.8). "Portanto" -- diz o apóstolo Paulo -- "não durmamos como os demais, mas estejamos atentos e sejamos sóbrios; pois os que dormem, dormem de noite, e os que se embriagam, embriagam-se de noite. Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo a couraça da fé e do amor e o capacete da esperança da salvação. Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para recebermos a salvação por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele morreu por nós para que, quer estejamos acordados quer dormindo, vivamos unidos a ele" (1Tessalonicenses 5.6-10).
O apóstolo sabe que, embora digamos gostar da luz, mas há uma área em nós que precisa da escuridão: "Mas vocês, irmãos, não estão nas trevas, para que esse dia os surpreenda como ladrão" (1Tessalonicenses 5.4).
Rimemos nossas vidas com luz, não com trevas. Passemos nossas vidas pelo crivo da verdade, onde há luz, não da mentira, filha das trevas.

2. A VERDADE CONSOLA
Jesus nos diz que “não há nada escondido que não venha a ser revelado, nem oculto que não venha a se tornar conhecido" (Mateus 10.16b; cf. Marcos 4.22; Lucas 8.17, 12.2)
O Evangelho é prova disso. É notícia boa de que a vontade de Deus não ficou no mistério. Veio à luz. Jesus está-se referindo a si mesmo.
Ao mesmo tempo, está nos propondo um pensamento sapiencial, isto é, Jesus nos prefere uma frase típica da literatura de sabedoria. Até a estrutura do ensino segue o estilo dos provérbios, chamado "paralelismo sintético", com a primeira frase (“não há nada escondido que não venha a ser revelado") sendo reforçada na segunda ([“não há nada] oculto que não venha a se tornar conhecido").
O que ele lembra está já inscrito na sabedoria popular, especialmente naquela que diz que a mentira tem perna curta. A fala de Jesus põe em tornos definitivos a sabedoria recolhida no livro de Provérbios: “A água roubada é doce, e o pão que se come escondido é saboroso! Mas eles nem imaginam que ali estão os espíritos dos mortos, que os seus convidados estão nas profundezas da sepultura.” (Provérbios 9.17-18). "Saborosa é a comida que se obtém com mentiras, mas depois dá areia na boca" (Provérbios 20.17).
A palavra de Jesus é, ao mesmo tempo, uma promessa e uma advertência.
É um consolo saber que a luz vai triunfar, especialmente quando as trevas da injustiça ou da mentira nos acossam.
Ouvi falar de um pastor que jamais rebatia as críticas, clara ou veladas, que lhe eram feitas. Imagino que era movido por sua certeza de que, no final, a verdadeira triunfaria, sob a vontade de Deus.
É um consolo saber que a luz vai vencer, especialmente quando as dores se alojaram no nosso corpo e na nossa mente.
Conheço inúmeras pessoas que sofrem, mas, ao tempo em que lutam pelo fim do sofrimento (pela oração ou pela medicação), sabem que suas dores um dia terão fim, sob a graça de Deus.
É um consolo saber que o mal tantas vezes perpetrado não durará para sempre. Há justiça -- eis o que diz Jesus.

3. A VERDADE JULGA
Ao mesmo tempo, a palavra de Jesus é uma advertência, para todo aquele que se aproveita das trevas para fazer o que não faz sob o claro teto da luz. Há justiça porque há um Juiz que é justo, Deus, nosso Senhor. Ele julga os povos (Salmo 7.8). Há dois temas recorrentes nos salmos -- este livro em que as almas se derramam -- e são: a injustiça humana, em suas várias manifestações, e a justiça de Deus, em sua cristalina certeza. Os poetas bíblicos se alimentam de uma convicção para tocarem suas vidas: "Ele mesmo julga o mundo com justiça; governa os povos com retidão" (Salmo 9.8; 98.9).
O horizonte da liberdade deve considerar a responsabilidade. "Alegre-se, jovem -- diz um sábio antigo -- na sua mocidade! Seja feliz o seu coração nos dias da sua juventude! Siga por onde seu coração mandar, até onde a sua vista alcançar; mas saiba que por todas essas coisas Deus o trará a julgamento" (Eclesiastes 11.9).
Jesus é apresentado pelos apóstolos como o crivo (diríamos, a lei, a Constituição) pelo qual todos compareceremos diante de um "Pai que julga imparcialmente as obras de cada um" (1Pedro 1.17). Paulo garante que Deus julgará "os segredos dos homens, mediante Jesus Cristo" (Romanos 2.16).
É sempre estranha ao homem a idéia de julgamento. O homem natural anseia pela liberdade, mas tem horror à responsabilidade. No entanto, transportado para o final dos tempos o autor bíblico descreveu o que viu: "o mar entregou os mortos que nele havia, e a morte e o Hades entregaram os mortos que neles havia; e cada um foi julgado de acordo com o que tinha feito" (Apocalipse 20.13).

Tudo isto nos ajuda a conviver diante da maldade dos outros.
Enquanto isto, convivemos com a justiça e com a injustiça, com o crime compensando e com o crime sendo castigado. É certo que muitos se deixam levar pela certeza da impunidade (provável em alguns casos, mas não certa em todos) ou pela leveza da pena.
Mesmo num mundo injusto, em que "o ímpio aceita às escondidas o suborno para desviar o curso da justiça" (Provérbios 17.23), de vez em quando vemos num relance a justiça, mesmo que injusta, como é próprio dos homens. Eu me lembro disso quando vejo um corrupto, antes um senador, ou ministro ou governador que dava as cartas, saindo de uma casa algemado em direção a um presídio, onde ficará algumas horas... Conforta saber que mesmo que o sistema judiciário não o deixe na cadeia e mesmo que não pague pelo que fez, sua corrupção deixou o esconderijo. Agora todos sabem que ele realmente é: corrupto. Está às claras, não mais às escondidas, o que ele é: corrupto.

4. A VERDADE SE PÕE EM AÇÃO
E quanto à nossa própria maldade? O padrão é o mesmo. E mais pesado para os da luz. Se eu sou da luz, as exigências morais sobre mim são mais elevadas.
Devemos encontrar estímulos para a prática do bem como algo natural em nós, e não pela recompensa. Se formos motivados pela recompensa, que é real, seremos movidos pela ambição, que um dia também será revelada.
Este é um tema que tem gerado especulações ao longo da história.
O que faz uma pessoa devolver um cheque com valor tentadoramente superior ao devido ou a devolver uma carteira com valiosos dólares no seu interior? O que motiva alguém a salvar outras num naufrágio, com risco para a própria vida? O que levou Oskar Schindler a livrar tantos das garras do nazismo, por exemplo?
O psicanalista Contardo Calligaris nos fala de uma banalidade do bem (em contraposição à banalidade do mal, com a qual somos obrigados a nos acostumar).
Bom é quem pratica a bondade como se fosse algo natural, não obrigatório, não imposto, não porque haverá recompensa. Bom é quem repete uma frase que está numa das mais enigmáticas parábolas de Jesus, que termina assim: "Assim também vocês, quando tiverem feito tudo o que lhes for ordenado, devem dizer: ‘Somos servos inúteis; apenas cumprimos o nosso dever’” (Lucas 17). Jesus não está negando que haverá recompensa, mas está dizendo que não é a sua busca que nos motiva.
Bom é quem sabe, contra todas as evidências, que o que faz não é vão no Senhor, precisamente por isto: por ser feito para o Senhor e na força do Senhor (1Corintios 15.58).
Fizemos e não fomos reconhecidos? Não importa! Nosso trabalho foi para o Senhor.
Fizemos e ninguém nos notou? Não importa! Quem importa que notasse, Este notou. E nos abriu um inefável e intangível sorriso.
Quando fazemos o bem, nós nos parecemos com Jesus Cristo. Não é esta a meta de nossa vida?
Quando fazemos o bem, exalamos o bom perfume de Cristo. Poderíamos ter outro desejo? (2Corintios 2.14)
Na prática do bem, não devemos ser motivados pelo medo do julgamento, mas na prática do mal precisamos ter em mente que todos seremos julgados. Falta isto aos homens e é por isto que temos que convivemos com a banalidade do mal.

5. A VERDADE É CONVITE
A palavra de Jesus soa, então, não mais como consolo, mas como advertência.
Os padrões de Deus para os seres humanos são mesmo elevados. Um dia desses, os meios de comunicação noticiaram uma competição entre homens e macacos: quem demonstrava melhor habilidade com a memória. Num dos testes, venceram os símios... No entanto, um homem não é julgado por sua habilidade, seja qual for, física ou cerebral, mas por seu compromisso moral. É a consciência que distingue o ser humano. Para sua consciência, Deus põe padrões muito, muito elevados, porque foi feito à imagem de Deus.
Esses padrões não aceitam que um homem viva vida dupla, uma à vista e outra escondida.
Ele pode até viver, mas sua duplicidade vai ser desmascarada.
O que é o escândalo? Não é o mal ser praticado. É o mal ser praticado por quem não esperávamos que praticasse. Quando o pratica, mentindo, furtando, traindo ou enganando, ele escandaliza.
Então, Jesus nos diz: você vive uma vida publicamente e vive outra escondida? Saiba que a sua vida escondida será uma vida pública.
Se você vive uma vida às ocultas, diferente da que vive na luz, lembre-se que "é impossível que Deus minta" (Hebreus 6.18b) e Ele diz que trará para a luz aquilo que está na sombra. "Deus trará a julgamento tudo o que foi feito, inclusive tudo o que está escondido, seja bom, seja mau" (Eclesiastes 12.14).
Deixe que a palavra de Jesus leve você a desejar a viver na luz.
Vive na luz quem só vive uma vida, seja de noite, seja de dia.
Em lugar de pensar nos benefícios da vida às escondidas, pense na alegria de se parecer com Jesus a cada dia, todo dia, toda noite.
Deixe a luz de Jesus iluminar todas as áreas da sua vida, até não haver sequer um canto escuro.
Deixe-se confortar e desafiar pela palavra sábia de Jesus: “Não há nada escondido que não venha a ser revelado, nem oculto que não venha a se tornar conhecido" (Mateus 10.16b).
ISRAEL BELO DE AZEVEDO

AS ARMAS DA NOSSA GUERRA

As Armas da Nossa Guerra


“Pois, embora vivamos como homens, não lutamos segundo os padrões humanos. As armas com as quais lutamos não são humanas; pelo contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas.” (2 Coríntios 10:3-4)
O apóstolo Paulo nos afirma que as armas com que lutamos contra nosso inimigo, não são humanas, mas sim poderosas em Deus. Quais seriam então essas armas? Abaixo, colocarei, algumas dessas armas que Deus nos disponibiliza para sermos vencedores em qualquer situação.
1ª Arma: A Palavra de Deus.
“Os teus mandamentos me tornam mais sábio que os meus inimigos, porquanto estão sempre comigo.” (Salmos 119:98)
“A tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho.” (Salmos 119:105)
“Usem o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.” (Efésios 6:17)
“Jesus lhe disse: “Retire-se, Satanás! Pois está escrito: ‘Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto’. Então o diabo o deixou, e anjos vieram e o serviram.” (Mateus 4:10-11)
A Palavra de Deus nos faz mais sábio que nossos inimigos, nos guia pelo caminho certo não nos deixando cair em trevas, pois onde a luz as trevas se dissipam ela é a arma usada pelo Espírito para nos auxiliar quando formos atacar nosso inimigo, arma que o próprio Jesus usou e se mostrou eficaz, precisamos nos apoderar dessa arma, conhecer a Palavra de Deus nos dará grande vantagem em nossa luta diária contra o mal.
2ª Arma: Fé
“Ele respondeu: Por que a fé que vocês têm é pequena. Eu lhes asseguro que se vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: ‘Vá daqui para lá’, e ele irá. Nada lhes será impossível.” (Mateus 17:20)
“Então ele lhe disse: Filha, a sua fé a curou! Vá em paz e fique livre do seu sofrimento”. (Marcos 5:34)
“Além disso, usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno.” (Efésios 6:16)
“que, mediante a fé, são protegidos pelo poder de Deus até chegar a salvação prestes a ser revelada no último tempo.”(1 Pedro 1:5)
Sem fé é impossível agradar a Deus, a fé faz com que nada nos seja impossível, a fé nos cura, nos liberta, com a fé os ataques do inimigo não nos atinge, mediante ela somos protegidos, guardados, precisamos exercitar nossa fé, pois ela é arma fundamental em nossa guerra contra o mal.
3ª Arma: Oração e Jejum.
“No primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, compreendi pelas Escrituras, conforme a palavra do Senhor dada ao profeta Jeremias, que a desolação de Jerusalém iria durar setenta anos. Por isso me voltei para o Senhor Deus com orações e súplicas, em jejum, em pano de saco e coberto de cinza.” (Daniel 9:2-3)
“Decretem um jejum santo; convoquem uma assembleia sagrada. Reúnam as autoridades e todos os habitantes do país no templo do Senhor, do seu Deus, e clamem ao Senhor. Ah! Aquele dia! Sim, o dia do Senhor está próximo; como destruição poderosa da parte do Todo-poderoso, ele virá.” (Joel 1:14-15)
“Depois de Jesus ter entrado em casa, seus discípulos lhe perguntaram em particular: Por que não conseguimos expulsá-lo? Ele respondeu: Essa espécie só sai pela oração e pelo jejum”. (Marcos 9:28-29)
Quando nos sentirmos aprisionados, sentirmos que querem nos destruir ou que somos afligidos por desejos que não são nossos, quando não conseguimos nos libertar daquele pecado que tão fortemente nos leva a fazermos o que sabemos não agrada a Deus ou impotente diante alguma situação a oração e o jejum serão nossos aliados para vencermos a luta contra esses males.
4ª Arma: Louvor.
“E sempre que o espírito mandado por Deus se apoderava de Saul, Davi apanhava sua harpa e tocava. Então Saul sentia alívio e melhorava, e o espírito maligno o deixava.” (1 Samuel 16:23)
“Quando começaram a cantar e a entoar louvores, o Senhor preparou emboscadas contra os homens de Amom, de Moabe e dos montes de Seir que estavam invadindo Judá, e eles foram derrotados.” (2 Crônicas 20:22)
“Porém tu és santo, tu que habitas entre os louvores de Israel.” (Salmos 22:3)
Em momentos de opressão, quando você estiver fraco a ponto de acreditar que não tem como vencer a sua adversidade, saiba que o louvor te dará ânimo renovado para se libertar seja qual for a opressão e para vencer seja qual for a adversidade, se Deus habita nos louvores, onde Seu trono está estabelecido não há lugar para o mal.
5ª Arma: Nome de Jesus.
“E eu farei o que vocês pedirem em meu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho. O que vocês pedirem em meu nome, eu farei”. (João 14:13-14)
“Pela fé no nome de Jesus, o Nome curou este homem que vocês vêem e conhecem. A fé que vem por meio dele lhe deu esta saúde perfeita, como todos podem ver.” (Atos 3:16)
“Por isso Deus o exaltou à mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome,” (Filipenses 2:9)
“Filhinhos, eu lhes escrevo porque os seus pecados foram perdoados, graças ao nome de Jesus.” (1 João 2:12)
Essa, juntamente ao Sangue de Jesus é a mais poderosa arma que temos, pois é em nome de Jesus que podemos nos utilizar das demais armas, é pelo nome de Jesus que nos achegamos ao Pai, é em nome de Jesus que somos salvos, curados, que alcançamos o favor de Deus, não há nome mais poderoso que o nome de Jesus, e tudo o que pedirmos, sendo para a Glória do nome de Deus Ele nos concederá.
6ª Arma: Sangue de Jesus.
“Como agora fomos justificados por seu sangue, muito mais ainda seremos salvos da ira de Deus por meio dele!” (Romanos 5:9)
“Nele temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus,” (Efésios 1:7)
“Assim, Jesus também sofreu fora das portas da cidade, para santificar o povo por meio do seu próprio sangue.”(Hebreus 13:12)
“Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho que deram; diante da morte, não amaram a própria vida.”(Apocalipse 12:11)
É o sangue de Jesus que nos justifica, nos redime dos pecados, nos santifica, é pelo sangue de Jesus que vencemos o diabo, o precioso sangue que foi derramado por nós para pagar a cédula de dívida que tínhamos em razão do pecado, é o sangue que nos purifica e permite nos aproximarmos de Deus, pois sem santidade ninguém verá a Deus, e o sangue de Jesus nos qualifica para isso.
7ª Arma: Armadura de Deus.
“Assim, mantenham-se firmes, cingindo-se com o cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça e tendo os pés calçados com a prontidão do evangelho da paz. Além disso, usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno. Usem o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.” (Efésios 6:14-17)
Todo guerreiro quando vai para a batalha precisa usar a vestimenta adequada para a ocasião, Deus nos fornece uma armadura para que possamos nos revestir diariamente, já que cada dia traz seu mal. Quando nos apoderamos dessa armadura cada peça tem seu significado que por fim nos fará estarmos revestidos com as características de Jesus: Verdade, justiça, paz, fé, salvação e a Palavra são atributos que encontramos em Cristo, sendo Ele nosso exemplo maior, é imprescindível que diariamente estamos revestidos com a Armadura de Deus e assim possamos resistir aos dias maus.
Há outras armas que podemos usar em nossa guerra contra Satanás e suas hostes, mas se nos apropriarmos das que estão aqui colocadas certamente sairemos vitoriosos em nossas batalhas.

Deus responde as nossas orações?


(por Marilyn Adamson, revisado por Natália Póvoas)
Você conhece alguém que realmente confia em Deus? Quando era atéia, uma grande amiga minha costumava me contar toda semana algo específico pelo que ela estava orando, na certeza de que Deus iria tomar providências. E toda semana eu costumava contemplar Deus agindo de maneira incomum para responder suas orações. Você sabe como é difícil para uma atéia observar fatos como esses, semana após semana? Depois de um certo tempo, dizer que não passava de “coincidências” se tornou um argumento muito fraco.
Então, por que Deus respondia as orações da minha amiga? A maior razão para isso é porque ela tinha um relacionamento íntimo com Ele, desejava segui-lo e, realmente ouvia o que Ele tinha a dizer. Em sua mente, Deus tinha o direito de dirigir sua vida e ela o fazia se sentir bem-vindo para fazer justamente isso! Quando ela orava por determinada coisa, era porque, de certa forma, se sentia muito confortável ao se achegar a Deus com suas necessidades, suas preocupações, ou qualquer assunto referente a sua vida. Além disso, estava convencida, pelo que lia na Bíblia, que Deus queria mesmo que ela descansasse nele assim.
Ela basicamente colocava em prática o que esta frase bíblica diz: “Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve.” (1 João 5:14 ) “Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos e os seus ouvidos estão atentos à sua oração, mas a face do Senhor está contra os que praticam o mal.” (1 Pedro 3:12 )

Então, por que Deus nem sempre responde às orações de todos?

Pode ser porque nem todos tenham um relacionamento com Ele. Eles devem saber que Deus existe, devem até adorar a Deus de vez em quando. Mas esses que nunca parecem ter suas orações respondidas, provavelmente não desenvolveram um relacionamento com Deus. Além disso, eles nunca devem ter recebido de Deus perdão completo de seus pecados. “O que uma coisa tem a ver com a outra?”, você deve estar se perguntando. Aqui está a explicação: “Certamente, o braço do Senhor não está encolhido para salvar, nem seu ouvido fechado para ouvir. Mas suas iniqüidades separaram vocês de Deus. Seus pecados esconderam a face dele de vocês, então ele não os irá ouvir.” (Isaías 59:12)
É muito natural sentir essa separação de Deus. Quando as pessoas se voltam para Ele a fim de colocá-lo a par de algo, ou para pedir algo, o que geralmente elas fazem? Começam dizendo: “Deus, eu realmente preciso da tua ajuda neste problema…”. E aí há uma pausa, seguida de: “Eu sei que não sou uma pessoa perfeita, que realmente não tenho direito nenhum de te pedir isso…”. Existe um conhecimento pessoal de pecados e fracassos. E a pessoa sabe que Deus está ciente disso também. Há uma noção de: “Com quem penso que estou brincando?”. O que eles não devem saber é como podem receber o perdão de Deus por todos os seus pecados e como podem desenvolver um relacionamento pessoal com Deus, para que então Ele possa ouvi-los. Este é o fundamento básico para que Deus responda suas orações.

Como Orar: O Fundamento Básico

Primeiro você deve começar um relacionamento com Deus. Imagine que um rapaz chamado Marcos decide pedir ao reitor da Universidade de Federal do Rio de Janeiro (alguém que ele nem ao menos conhece) que autorize o empréstimo de um carro para ele. Marcos teria chance nula de conseguir ser atendido. (Estamos presumindo que o reitor da UFRJ não seja idiota). Por outro lado, se a filha deste mesmo reitor pedisse a seu pai que autorizasse um empréstimo de carro para ela, não haveria problema algum. Um relacionamento pessoal conta muito.
Com Deus, quando alguém é verdadeiramente seu filho, quando alguém pertence a Ele, Ele o conhece e ouve suas orações. Jesus disse: “Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem. As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha mão.” (João 10:14, 27-28)
Quando o assunto é Deus, você realmente o conhece? E Ele conhece você? Você tem um relacionamento com Ele que garanta a resposta de suas orações? Ou Deus está bem distante, sendo apenas um conceito em sua vida? Se Deus está distante, ou você não tem certeza de que o conhece, aqui está uma maneira de começar a se relacionar com Ele agora mesmo: Conhecendo Deus pessoalmente.

Será que Deus vai responder sua oração definitivamente?

Para aqueles que realmente o conhecem e descansam nele, Jesus parece ser muito generoso em sua oferta: “Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês, pedirão o que quiserem, e lhes será concedido.” (João 17:7 ) “Permanecer” em Cristo e ter as palavras dele dentro de nós significa que conduzimos nossas vidas sob o comando dele, descansando nele, ouvindo o que Ele tem a dizer. Assim, estaremos aptos a pedir a Deus qualquer coisa que desejarmos e Ele responderá. Aqui está outra vantagem: “Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve. E se sabemos que ele nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que temos o que dele pedimos.” (1 João 5:14-15) Deus responde nossas orações de acordo com a sua vontade (e de acordo com a sua sabedoria, seu amor por nós, sua santidade…).
Nós erramos ao assumirmos que sabemos qual é a vontade de Deus, quando somente alguma coisa faz sentido para nós! Nós assumimos que há somente uma “resposta” correta para cada oração específica, tendo a certeza de que AQUELA é a vontade de Deus. E é aí que fica mais difícil. Nós vivemos dentro dos limites do tempo e do conhecimento. Temos apenas informações limitadas sobre cada situação e sabemos algumas implicações de ações futuras nessas determinadas situações. O entendimento de Deus é ilimitado. Como um evento ocorre no curso da vida ou da história é apenas algo que Ele já sabe. E Ele deve ter propósitos muito além daqueles que podemos imaginar. Logo, Deus não fará algo simplesmente porque determinamos que essa deveria ser a sua vontade.

O que é preciso? O que Deus está inclinado a fazer?

Páginas e páginas poderiam ser preenchidas com as intenções de Deus para nós. A Bíblia inteira é uma descrição do tipo de relacionamento que Deus quer que experimentemos com Ele e do tipo de vida que Ele quer nos dar.
Aqui estão alguns exemplos:“…o Senhor espera o momento de ser bondoso com vocês; ele ainda se levantará para mostrar-lhes compaixão. Pois o Senhor é Deus de justiça. Como são felizes todos os que nele esperam!” (Isaías 30:18 ) Você captou isso? Como alguém que se levanta de sua cadeira para oferecer ajuda, “Ele se levanta para lhe mostrar compaixão”. “Este é o Deus cujo caminho é perfeito; a palavra do Senhor é comprovadamente genuína. Ele é um escudo para todos os que nele se refugiam.” (Salmo 18:30) “O Senhor se deleita naqueles que o temem [reverenciam], que colocam sua esperança em seu leal amor.” (Salmo 147:14)
De qualquer maneira, a maior demonstração do amor e da compaixão de Deus por você é expressa pelas seguintes palavras de Jesus: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos” (João 15:13 ), que nada mais é do que o que Cristo fez por nós. Então, “Aquele que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará, juntamente com ele, gratuitamente todas as coisas?” (Romanos 8:32)

E o que dizer das orações “não respondidas”?

Certamente as pessoas ficam doentes e até morrem; problemas financeiros são reais, e toda sorte de situações difíceis é passível de acontecer na vida de qualquer um. O que fazer então?
Deus nos diz para levar todas as nossas preocupações a Ele. Mesmo quando a situação parecer irremediável, “Lancem sobre ele toda ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês.” (1 Pedro 5:7) As circunstâncias podem parecer estar fora de controle, mas não estão. Quando o mundo inteiro estiver desabando, Deus ainda pode e sempre poderá segurá-lo em suas mãos. É aí que uma pessoa pode se sentir muito agradecida por ter o privilégio de conhecer a Deus. “Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos. Perto está o Senhor. Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:5-7) Deus pode providenciar soluções para os seus problemas além do que você considera ser possível. Provavelmente, qualquer cristão pode listar exemplos como esse em suas próprias vidas. Mas se as circunstâncias não melhorarem, Deus ainda pode nos dar a sua paz em meio a tudo isso. Jesus disse: “Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbem os seus corações, nem tenham medo.” (João 14:27)
É neste ponto (quando as circunstâncias ainda estiverem difíceis) que Deus nos pede para continuar a confiar nele – para “andar pela fé, não pela visão”, diz a Bíblia. Mas não é uma fé cega; é baseada no caráter de Deus. Um carro viajando pela ponte Rio-Niterói é totalmente sustentado pela integridade da ponte. Não importa o que o motorista possa estar sentindo, ou pensando, ou discutindo com o passageiro do outro assento. O que faz o carro chegar seguramente ao outro lado da ponte é a integridade dela, na qual o motorista resolveu confiar. Do mesmo modo, Deus nos pede para confiarmos em sua integridade, seu caráter, sua compaixão, amor, sabedoria, retidão e justiça em nossa defesa. Ele diz: “Eu tenho amado com amor eterno; com amor leal a atraí.” (Jeremias 31:3 ) “Confie nele todo o tempo, ó povo. Coloque diante dele o coração, pois ele é o nosso refúgio.” (Salmo 62:8)

Em Resumo…Como Orar

Deus se ofereceu para responder as orações de seus filhos (aqueles que receberam Jesus em suas vidas e buscam segui-lo). Ele nos pede para levar qualquer preocupação até Ele em oração, pois Ele agirá por nós de acordo com a sua vontade. Enquanto lidamos com dificuldades, temos de lançar sobre Ele nossas aflições e receber dele a paz que desafia as circunstâncias. A base da nossa esperança e fé é a pessoa de Deus. Quanto mais o conhecermos, mais aptos estaremos a confiar nele.
Para saber mais sobre o caráter de Deus, por favor leia o artigo “Quem é Deus?” ou outros artigos neste site. A razão das nossas orações é o caráter de Deus. A primeira oração que Deus responde é a oração em que você expressa o seu desejo de começar um relacionamento com Ele.

domingo, 6 de novembro de 2016

ATITUDE DE FORÇA, FIRMEZA E CORAGEM

 

ATITUDE DE FORÇA, FIRMEZA E CORAGEM

Provérbios 23:7: “Porque, como imagina em sua alma, assim ele é; ele te diz: Come e bebe; mas o seu coração não está contigo.”
            Aprendemos que aquilo que pensamos, aquilo que está dentro da nossa mente, dos nossos pensamentos se reflete nas nossas ações. Tu precisas saber disto: Tu não podes mudar a sociedade, não podes mudar o teu marido, não podes mudar a tua esposa e não podes mudar as leis do teu país. A única coisa que tu podes mudar és tu mesmo.
Quando tu mudas, por causa da Palavra de Deus, todas as coisas do teu universo começam a mudar. Lê Filipenses 2:5.
            Paulo, escrevendo aos Romanos 12:2, diz: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”
Portanto, vê: nós que devemos nos transformar. Devemos mudar os nossos pensamentos. Especialmente, tu que vens enfrentando adversidades, que vens enfrentado lutas, que vens enfrentando situações que chegaram a tua vida e que Satanás insiste em manter como força contra ti. Tu precisa mudar! Lê Isaías 26:3.
            Vejamos ainda o que disse Paulo, quando escreveu aos Coríntios, em 1 Coríntios 2:16: “Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo.”
            O que tu pensas, hoje, é o resultado das experiências que tu tiveste em toda a tua vida. Vamos pensar juntos em alguma coisa bem prática: Tu sabes, o mundo era diferente. As coisas mudaram com a evolução, e o sistema envenenou a família, envenenou os casamentos, destruiu relações, destruiu sonhos, destruiu esperanças e, pior do que isso, os líderes evangélicos e cristãos, que aceitaram, começaram a ver o cristianismo descaracterizado.
            Hoje, muito do que se chama cristianismo, aí fora, é um mero comércio com as coisas de Deus. O cristianismo está descaracterizado. Os tempos são esses. Os tempos mudaram, mas a Palavra não mudou. Os tempos mudaram, mas Jesus é o mesmo ontem, hoje e para sempre. Os tempos mudaram, os costumes mudaram, o sistema mudou, mas o Deus a quem servimos disse: “Eu sou o mesmo de ontem, de hoje e para sempre.” Ele não muda. Glória ao Senhor, ao Cordeiro de Deus.
Portanto, nós, que somos cristãos, devemos entender que as nossas atitudes, por causa dessas verdades que o Espírito Santo imputou ao nosso espírito, determinam o nosso sucesso ou a nossa falha. Deus te deu a capacidade de teres atitudes firmes, de teres atitudes convictas, de teres atitudes poderosas. Agora, quem vive em ti é maior do que aquele que está neste mundo.Tu passaste a viver por fé, não mais pelo que tu vês. Tu te tornaste uma nova criatura e as tuas atitudes mudaram. Sem perceberes, mudaste o teu vocabulário.
            As pessoas que te cercam, que são da tua intimidade, mudaram. Tu não podes ter parte com as trevas, porque tu és luz e luz não se mistura com as trevas. Tu não te associas mais ao ímpio porque a nossa sociedade é com quem tem Jesus. Tu és, hoje, uma pessoa feliz, salva, livre, santificada, liberta pelo poder do Sangue de Jesus Cristo.
            Tu sabes que as tuas atitudes, hoje, são corajosas, são firmes porque tu tens a mente de Cristo. Tu não és controlado pelas crises do mundo.
            Então, amado, o mundo está cheio de cristãos em crise. Às vezes, só se lembram de Jesus na hora do problema e, muitas vezes, nem se lembram de Jesus. Mas, se tu estás aprendendo a revelação da Graça de Deus e se tu aprendeste a viver o cristianismo, precisas te tornar indubitavelmente uma pessoa estável e madura. Lê 1 Coríntios 13:11.
Todos nós enfrentamos, no passado, ou enfrentaremos, ou estamos enfrentando, hoje, situações que, se não tirarmos de dentro de nós as atitudes corajosas, firmes, com pensamentos bíblicos, talvez nos deixemos nos acovardar.
Eu gosto muito de algumas passagens bíblicas que me encorajam. Um dos personagens que mais mexe com a minha vida é Davi.
            Nos dias de Davi, o Rei Saul tinha um exército de quarenta e cinco mil homens poderosos de guerra. Mas, um homem, que era grande, começou a berrar. Diz em 1 Samuel 17:10: “Disse mais o filisteu: Hoje, afronto as tropas de Israel. Dai-me um homem, para que ambos pelejemos.”
            Esse gigante não sabia que poderia perder alguma batalha. Ele era arrogante. Ele não imaginava que alguém poderia se levantar para confrontá-lo. Ele não imaginava que alguém, no meio daquela gente toda, poderia ter uma atitude corajosa.
            E Davi ouviu o gigante desafiador. Davi era um homem convicto, firme e corajoso. Ele tomou o posicionamento que tu precisas também tomar. Diz 1 Samuel 17:26: “Então, falou Davi aos homens que estavam consigo, dizendo: Que farão àquele homem que ferir a este filisteu e tirar a afronta de sobre Israel? Quem é, pois, esse incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do Deus vivo?”
            Davi sabia que o gigante diante de Deus era um “Zé ninguém”. Meu irmão, esse homem corajoso, forte, firme e cheio de auto-confiança, não se baseava na carne nem nos livros de auto-ajuda, mas em Deus.
            Diz em 1 Samuel 17:40: “Tomou o seu cajado na mão, e escolheu para si cinco pedras lisas do ribeiro, e as pôs no alforje de pastor, que trazia, a saber, no surrão; e, lançando mão da sua funda, foi-se chegando ao filisteu.”
Quando Davi pegou cinco pedras, botou no alforje, pegou uma funda para atirar, na realidade, isso simbolizava o quê? Ele botou aquela pedrinha lá e começou a girar, dizendo: “Está escrito! Está Escrito! Está escrito! Está escrito!” Ele confiava em Deus.
O que são as cinco pedras? As cinco pedras tipificam os cinco ministérios: Apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres.
O cajado que ele tinha, esse bordão, o que significava? Significa a autoridade de Deus na vida do cristão.
1 Samuel 17:45: “Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens contra mim com espada, e com lança, e com escudo; eu, porém, vou contra ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado.”
            O que eu percebo nessa passagem? Que quem é teu inimigo, na realidade, é inimigo de Deus. Quem é teu adversário, na realidade, é adversário de Deus. Se tu vens sendo afrontado, quem está sendo afrontado é Deus.
Davi teve uma atitude: Ele agiu, não ficou sentado com seus irmãos, com o exército, falando do adversário, das dificuldades, porque este é o grande erro da maioria das pessoas: quando se deparam com dificuldades, falam da dificuldade, pensam na dificuldade, sonham com a dificuldade, confessam a dificuldade.
Davi atacou o problema de frente e sem medo. Por quê? Porque Davi esperava a vitória da parte de Deus, cujo nome é inefável.
            Amado, existe o Deus poderoso e vivo que age sobrenaturalmente em nosso favor. O nosso Deus não é um ídolo morto dos pagãos. Ele não é uma imagem sentada em cima de um cavalo. Ele não é uma imagem doce de uma santinha. Não! Ele é Senhor! E o diabo sabe disso! Nós não nos acovardamos com absolutamente nada. Não importa de onde vem a ameaça, não importa de onde vem a voz. Há uma voz de trovão sobre essas vozes.
            Tu sabes de uma coisa? Há uma tarefa que Deus entregou a mim e a ti. Amado, Deus deu uma tarefa a ti, senhora, uma tarefa a ti, irmão: Tu tens que derrotar os sofrimentos, as doenças, as crises, porque o Deus do Favor está a favor de ti. Nós temos o nome de Jesus. Nós temos a autoridade da Palavra. Nós temos o poder de Deus. Os anjos nos cercam, nos servem. Se há um problema, se há uma crise, se há uma doença, se há uma ameaça, não valorizes o diabo. Enfrenta o problema! Derrota o problema! Sê contra o problema! Eu e tu já somos vitoriosos, em nome de Jesus Cristo. Lê Zacarias 4:6.
            Guarda este versículo para sempre. Diz o Salmo 62:11: “Uma vez falou Deus, duas vezes ouvi isto: Que o poder pertence a Deus,”. A quem pertence o poder? Ao demônio, ao diabo, à pombagira, ao sete catacumbas, a ele é que pertence? Não! Pertence a quem? A Deus. Lê o Salmo 44:6-7.
            Se a Igreja pudesse ser derrotada, se um cristão fiel pudesse ser derrotado, Deus seria derrotado, seria envergonhado. Deus cobre de vergonha os que te odeiam. Lê o Salmo 33:16-22.
Amado, temos uma tarefa. Deus deu esta tarefa a ti, amada: na tua família, onde tu vais levantar, hoje, com ousadia e dizer: “Tudo bem, tu és grande, mas quem está em mim é maior.”
1 Samuel 17:47: “Saberá toda esta multidão que o SENHOR salva, não com espada, nem com lança; porque do SENHOR é a guerra, e ele vos entregará nas nossas mãos.” E aí começa a atitude corajosa!
Diz a Palavra do Senhor, em 1 Samuel 17:48: “Sucedeu que, dispondo-se o filisteu a encontrar-se com Davi, este se apressou e, deixando as suas fileiras, correu de encontro ao filisteu.”
O que Davi estava dizendo? “Eu não vou ficar aí enrolado com vós. Vou enfrentar a questão.”
Mostra 1 Samuel 17:49: “Davi meteu a mão no alforje, e tomou dali uma pedra, e com a funda lha atirou, e feriu o filisteu na testa; a pedra encravou-se-lhe na testa, e ele caiu com o rosto em terra.”
            O que parecia ser uma tarefa gigantesca, avassaladora, foi resolvida num segundo, pelo poder de Deus. Todos estavam esperando um conflito sangrento longo e agonizante e Deus completou rapidamente e definitivamente o problema.
            O poder de Deus substitui as nossas fraquezas, na carne. O muito de Deus substitui o pouco que tu possas ter, hoje. Por que, Apóstolo? Porque as nossas armas são espirituais, são poderosas para destruir fortalezas, sofismas, altivezes. As nossas armas são de fogo. Deus vai mandar o Seu anjo com a espada flamejante de fogo. Deus vai mandar Miguel, o defensor do povo. Deus vai mandar Gabriel, o arcanjo das Boas Novas. O poder de Deus torna obsoleto qualquer poder gigante desta Terra. O poder de Deus torna obsoleto, sem força, qualquer poder desta Terra.
Sabes o que Davi fez? Vê 1 Samuel 17:51: “Pelo que correu Davi, e, lançando-se sobre o filisteu, tomou-lhe a espada, e desembainhou-a, e o matou, cortando-lhe com ela a cabeça. Vendo os filisteus que era morto o seu herói, fugiram.” Olha, o gigante estava caído e não estava morto. Estava desmaiado. Só estava dando um “chilique”.
            Tu sabes o que Deus faz? Deus impõe terror aos nossos inimigos. Deus impõe pânico aos nossos inimigos. Deus aterroriza os nossos inimigos. Armas forjadas não prosperarão contra nós. Não podem prosperar. A língua que ousar contra ti, em juízo, tu a condenarás. É a tua herança. É o teu direito. Não temas, o Senhor é contigo.
            Deus me deu a tarefa, Deus te deu a tarefa de confrontar o gigante, hoje. Se Ele abriu o Mar Vermelho, se Ele abriu o Rio Jordão, se Ele derrubou as muralhas de Jericó, se Ele estava na fornalha com Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, se Ele estava na cova dos leões com Daniel, é porque Ele dá a saída onde não há saída. Ele disse: “Se o inimigo vem por um caminho, tem que pular fora por sete caminhos.”
            A nossa força não é suficiente. O nosso intelecto não é suficiente. A nossa educação cultural não é suficiente. Isso é muito pouco. É muito pouco. Mas, no dia da adversidade, Deus faz do pouco, muito.
Ele disse no Salmo 50:15: “invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás.”
Invoca-Me! Não te acovardes! Não baixes a cabeça! Não fiques com medo! Invoca-O no dia da angústia porque Ele te livrará!
A Bíblia diz: “Se tu pedires, tu receberás! O que tu ligares na Terra, vai ser ligado nos céus. O que tu desligares na Terra, será desligado nos céus!” Deus não faz nada até que nós creiamos que Ele pode fazer tudo. Até que nós enfrentemos, no Seu Nome, todas as adversidades da vida. Ele é El Shaddai. Ele é o Todo-Poderoso. Ele é Emanuel. Ele é Jeovah Jireh, o Provedor. Ele é o Deus da Glória. Ele é a Luz do mundo. Ele é o Leão da tribo de Judá. Ele é Rei de reis. Ele é Senhor de senhores. A trombeta de Deus está tocando. Anjos e arcanjos estão trazendo vitória, estão livrando, curando e salvando.
            Portanto, hoje é o teu dia de vitória. Não importa se tu és novo, se tu és velho. Deus usa as adversidades para veres a Glória de Deus. Deus faz exatamente como faz a mãe águia. Tu sabes como é que a mãe águia treina seus filhotes? Nós temos um livro lindo explicando isto, chamado: O VÔO DA ÁGUIA E O SUCESSO DO HOMEM.
            A mãe águia, quando tem os seus filhotes dentro do ninho, vai, pega a carne, mata o animal e traz, coloca na boca dos seus filhotes, mas há um dia em que mamãe águia chega e diz: “Filho, filha, tu nasceste para ser grande! Tu nasceste para confrontar os ventos da Terra! Tu nasceste para poder olhar o sol! Tu nasceste para sair deste ninho, para enfrentar a vida conforme mamãe e papai enfrentam.” Mesmo que o filhote da águia diga: “Mamãe, esquece isso! Eu estou aqui vendo a Xuxa e o Faustão!” A mamãe águia insiste: “Não, não, não! Tu vais ter que voar!”
            Tu sabes o que a mãe faz? Com o bico empurra o filhote e fica na beira do ninho, lá em cima do penhasco e o filhote vem caindo. E, se ela percebe que as asas não batem, ela passa por baixo e traz de volta o filhote para o ninho. E joga pela segunda vez. E ela vai lá outra vez e pega. Quando é a décima queda livre, ele começa a bater as asas. E começa a dizer: “Não é que eu nasci para vencer?” “Não é que eu nasci para voar?” “Não é que a minha mãe tinha razão.” “Vamos à vida.”
            Amado, hoje, tu vais voar alto. Hoje, tu vais cumprir o teu destino. Hoje, tu estás nas asas do Espírito. Hoje, tu terás coragem, firmeza e não temerás. Tu és a Noiva de Cristo. Tu és vencedora. Jesus não pode falhar. A Igreja não pode ser derrotada, por mais que principados e potestades chiem, gritem, ameacem, esperneiem, o nosso Deus avalizou com o Seu Sangue, dizendo em Apocalipse 12:11: “Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida.”
            Eles o venceram, a despeito de suas vidas, se entregaram à Verdade de Deus. Então, começa a voar, hoje, alto. Ainda que tu me digas: “Eu vou cair, Apóstolo. Eu sou pequeno. Não vou agüentar. Minhas asas não agüentam. Minhas penas já estão se acabando.” Deus pega o teu pouquinho e bota injeção do muito, na tua vida!
            Tu terás casa própria, um emprego com dignidade, um salário com sobras, comerás o melhor da Terra, vestir-te-ás bem, os teus filhos vão ter direito a estudar. Tu quebraste a maldição que estava sobra a tua família. A partir da tua vida começa a bênção de Deus.
            Começa a voar alto. Começa a esticar as tuas asas. Tu nasceste para voar alto. Tu nasceste para viver num nível superior de vida. Tu nasceste para confrontar. Tu nasceste para enfrentar. Tu nasceste para vencer. Agora, se tu começas a baixar a cabeça, a acovardar-te e dizer: “Sei lá, mas o que o vizinho vai dizer de mim?” Eu te digo: O vizinho? O vizinho é que paga as tuas contas? “Mas, o que a minha filha vai dizer?” A tua filha?! Eu tenho uma tia que é católica até às medulas. Eu vou a sua casa, oro e falo de Jesus. Ela já veio aqui e ficou me olhando e disse: “Ângelo, cuidado com o purgatório. Se você não segue Nossa Senhora, você vai arder.” Eu disse: Arder?! Continua seguindo Nossa Senhora que tu vais ver onde é que vais arder.
            O inimigo fica super feliz quando vê uma Igreja quebrada, arriada, quando vê um povo covarde, de cabeça baixa. Na hora de dar “Glória a Deus” não sai nada. Na hora de levantar a mão, só levanta um dedo.
            Sabes o que Deus quer? Ele quer que tu tenhas um cântico de vitória! Glória a Deus. Aleluia. Glória a Deus. Já caiu! Já caiu! Já caiu! Glória a Deus. És tu que tens a tarefa. És tu que tens a tarefa de vencer. És tu que tens a tarefa de confrontar. O teu pouco com o muito de Deus vai ser poderoso!
            Há, se eu tivesse ouvido essas verdades quando era garoto. Eu fiquei rezando muitos anos para estátuas e para ídolos. Ídolos pagãos. Eu olhava com tristeza aquele rosto ensangüentado e dizia: “Porque não fui eu?” E o ídolo olhava para mim e dizia: “E tu podias?” E eu não sabia que ali estava nada. Boca que não fala, nariz que não cheira, mãos que não apalpam, pés que não andam. Ídolos pagãos.
            Naquele dia, na cama de um hospital, apodrecido em vida, condenado pela medicina, incapacitado pelos homens, chegou a hora. E, quando me mandaram abrir em Jó 19:25: “Porque eu sei que o meu Redentor vive e por fim se levantará sobre a terra.” Está aqui o resultado do Senhor na minha vida.
Crê. Tu tens a tarefa de derrotar esse gigante. Vamos nos unir. Vamos nos unir, irmão, em fé. Nós temos que ver instantaneamente o câncer cair, o tumor cair, o problema cair, a ameaça cair, não importa de onde vem, ou onde tu estás. O importante é ouvir a voz daquele que é Leão da tribo de Judá. Ele disse: “Vou ser por ti! Não importa quem seja contra.” Recebe essa Palavra! Recebe essa missão de derrotar o mal na tua família, na tua casa. Recebe o sinal da vitória de Deus. Em nome de Jesus.
ASSIM SEJA, ASSIM DISSE O ESPÍRITO DA GRAÇA DE DEUS!
 Miguel Ângelo.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Aquele que é Poderoso para Fazer Infinitamente Mais

 
"Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!" Efésios 3:20-21

Pensamento: De todos os nomes usados para Deus na Bíblia, este é meu favorito: "Aquele que é Poderoso para Fazer Infinitamente Mais". Nosso Deus é o mesmo Deus que partiu o Mar Vermelho e alimentou 5.000 com apenas alguns pães e peixes. Ele anseia fazer mais do que pedimos ou imaginamos! Infelizmente, a maioria de nós não tem dado realmente muito desafio a Ele com nossos sonhos pequenos e orações superficiais. Vamos sonhar grandes sonhos para Deus. E aí segurarmo-nos para algo acontecer além da nossa imaginação!

Oração: Todo Poderoso e Majestoso Deus, faça no nosso dia o que fez nos dias passados. Dê-nos a fé para acreditar e depois surpreenda-nos ao saber quão míope a nossa fé realmente era. Dê-nos a visão para enxergar o Seu plano e crer que o Senhor anseia fazer coisas maiores. Pedimos isso, não por nós mesmos ou por causa da nossa reputação, mas para Sua glória e a salvação do nosso mundo. Em nome de Jesus. Amém.
Devocional Diario